Vander Lee 20 anos

01. Minha Criança
Vander Lee

espero um dia encontrar de novo
na mesma esquina mesma vida onde deixei
minha criança abandonada
numa beira de estrada não sei

o que me deu naqueles tempos duros
eu precisava de saidas procurei
e foi em busca de respostas
pros meus sonhos
que uma carta escrevi

eu desejei milhões de coisas
procurava nos olhares ares que nunca vivi
eu mergulhei na multidão
quis muito e tudo consegui
mas quem sorri pra mim agora
é só meu cão

você se foi pude entender
a solidão te fez querer
não há pecado nem é preciso perdão

 

02. Seu Rei 
Vander Lee

Não quero ser seu rei
Não sei nem de mim
Não quero ser melhor
Nem pior, sou assim
Só quero ser eu
Só quero ser
Meus sonhos mudaram
Mas eles não calam a dor
Não podem matar um amor
Que não quer morrer
Estamos atados, mas abandonados de nós
Perceba como estamos sós, enfim
Não posso ser seu dono
Nem ser de você
Só quero ser eu
Só quero ser
Não quero ser seu rei…

 

03. Estrela
Vander Lee

Trem do desejo
Penetrou na noite escura
Foi abrindo sem censura
O ventre da morena terra

O orvalho vale a flor
Que nasce desse prazer
Nesse lampejo de dor
Meu canto é só pra dizer
Que tudo isso é por ti

Eu vi
Virei estrela

Numa jangada
À deriva, a céu aberto,
Leva os corações despertos
A sonhar por terras livres

Veio a manhã, eu parti
Mas como cheguei aqui
Os astros podem contar
No dia em que me perdi
Foi que aprendi a brilhar

Eu vi…

 

04. Boramar
Vander Lee

Eu quero um pouco mais dessa nobreza
Que sinto quando estou junto de ti
Só quero um pouco dessa luz
Que você tem de sobra, sopra
Que eu pego daqui

Que eu vou varrer o céu que você “pássara”
Vou espalhar seu cheiro ao meu redor
Serei o vento bobo a sussurrar
em seu ouvido uma canção
Que ocê sabe de cor

E quando eu não correr pela montanha
Atrás da bola que você jogar
Serei o cão que lambe suas pernas
Quando você chega e deita no sofá

Não vou abrir a porta do seu carro
Nem te esperar de pé nesse portão
Meu coração já é sua morada, namorada,
E a chave você tem na mão.

É tempo de amora
Amor agora
Boramar

 

05. Mais um Barco
Vander Lee

meu amor
nosso amor
naufragou no poço do egoismo
nosso amor caiu no abismo era de vidro e se quebrou
se espalhou
sobre as pedras frias do ciúme
como um frasco de perfume
que era pouco e se acabou
evaporou
em um milhão de coisas pequeninas
pouca paz, muita rotina
pouco gozo e muita dor
se transformou
num turbilhão de falas tão mesquinhas
falhas suas, pragas minhas
mil coisinhas e algum amor
o nosso amor
se afogou nas aguas desse rio
nosso amor teve um desvio no seu curso e ja secou
ou se queimou
nos mares ardentes da paixão
no cais da desilusão
mais um barco ancorou

 

06. Desejo de Flor
Vander Lee

As flores vão nascer
De amores vãos viver
E ninguém vai poder mais amputar sua raiz
O galho que crescer os ventos vão reger
E quem sabe dançar a sinfonia os homens gris

Há margaridas bêbadas sobre os balcões
Damas da noite no calor de explosões

As flores vão nascer do querer, sem querer
Lá no sertão, no Paquistão, no coração mais infeliz
E porque não dizer no vaso do prazer
Lá no quintal, no Pantanal, no Rio e em Paris

Delírios sob a larva dos vulcões
Amorosas no entulho das construções

Porque nada impede uma flor
De nascer de um desejo sincero
Porque nada impede uma flor
De querer o que eu quero

 

07. Nada por Nada
Vander Lee

como processar os rumos sem
me desconfigurar o tempo todo
velhas buscas, novas pastas
sons e sonhos nos computadores
fico rico, multiplico um refrão
por um milhão de amores
navegar nas ondas previsíveis
sem beber nada de ninguém…

quando eu caio nessa rede
a realidade perde o sentido, estranha
novo mundo, velhos modos
outra roda, mesma teia de aranha

raro é o dia em que eu passo
e não tropeço nos meus egos
pouco é tudo que nos resta (cerca)
quando estamos quase sempre cegos
minto muito, monto frases,
finjo ser um ser complexo
crio imagens do desejo
sem saber, sem ser conexo

por isso eu quero trocar
nada por nada
um caminhar nesse andor
por uma noite estrelada
um caminhão de rancor
por uma noite estrelada

 

08. Seu Nome
Vander lee

quando essa boca disser o seu nome venha voando
mesmo que a boca só diga seu nome de vez em quando
posso enxergar no seu rosto um dia tão claro luminoso
quero provar desse gosto ainda tão raro e misterioso do amor

quero que você me dê o que tiver de bom pra dar
ficar junto de você é como ouvir o som do mar
se você não vem me amar a maré é cheia, amor
ver você é ver o sol deitado na areia

quando quiser entrar e encontrar o trinco trancado
saiba que o meu coração é um barraco de zinco todo cuidado
não traga tempestade depois que o sol se por
nem venha com piedade porque piedade não é amor

 

09 .Siga em Paz 
Vander Lee

E vem você dizer
Que meu o calor já não te aquece mais
O que devo fazer
Se nesse travesseiro já não dorme a paz
E quando amanhecer
E o dia me encontrar tão só com meus botões
Eu não vou entender
Meu corpo só conhece a língua das paixões

Saiba meu amor meu coração só sabe se entregar
Basta um chamado seu, que eu não demoro a chegar
Tudo que separa nos prepara para o novo encontrar
Quando você partir não quebre as pontes que atravessar

E vem você dizer
Que o meu amor não te apetece mais
O que posso fazer
Além de desejar que você siga em paz

Mesmo que algo melhor te espere do lado de lá
Quando você partir não quebre as pontes que atravessar
Mesmo que a vida se transforme numa dança sem par
Fique na pista, não desista, deixe essa canção te levar

 

10. Prece Preciosa
Vander Lee

Sou do mundo dos que não tem pressa
Sou do canto dos de pouca prosa
Vou garimpando a vida na bateia
Revirando areia em prece preciosa

Ametistas, hematitas, águas marinhas
Por que não
São descuidos de algum anjo torto
A brincar de bodoque
No quintal do universo da invenção

Diamantes dos amantes de antes
De agora em diante pra sempre serão
Poemas de amor esculpidos dos olhos de deus
No último dia da criação

Topázio nos olhos de tigre
Turmalinas verdes que de ver projetam
Sua luz sobre o canto da fada
Entoando a toada talhada no chão

Turmalinas, esmeraldas, sodalitas
Carbonitas que de leve levem
Pra dentro de um quartzo rosa
O saber da existência, o sentido da civilização

 

11. Onde Deus possa me ouvir
Vander Lee

Sabe o que eu queria agora, meu bem…
Sair, chegar lá fora e encontrar alguém
Que não me dissesse nada
Não me perguntasse nada também
Que me oferecesse um colo, um ombro
Onde eu desaguasse todo o desengano
Mas a vida anda louca
As pessoas andam tristes
Meus amigos são amigos de ninguém

Sabe o que eu mais quero agora, meu amor?
Morar no interior do meu interior
Pra entender por que se agridem
Se empurram pro abismo,
Se debatem, se combatem sem saber

Meu amor…
Deixa eu chorar até cansar
Me leve pra qualquer lugar
Aonde Deus possa me ouvir
Minha dor…
Eu não consigo compreender
Eu quero algo pra beber

Me deixe aqui, pode sair

Adeus

 

12. Esperando Aviões
Vander Lee

Meus olhos te viram triste
Olhando pro infinito
Tentando ouvir o som do próprio grito
E o louco que ainda me resta
Só quis te levar pra festa
Você me amou de um jeito tão aflito
Que eu queria poder te dizer sem palavras
Eu queria poder te cantar sem canções
Eu queria viver morrendo em sua teia
Seu sangue correndo em minha veia
Seu cheiro morando em meus pulmões
Cada dia que passo sem sua presença
Sou um presidiário cumprindo sentença
Sou um velho diário perdido na areia
Esperando que você me leia
Sou pista vazia esperando aviões
Sou o lamento no canto da sereia
Esperando o naufrágio das embarcações

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+